Eventos

FILO 2019 oferece variedade de espetáculos nesta semana

O Festival Internacional de Londrina (FILO), que está celebrando 50 anos de história, continua levando ao público uma série de atrações teatrais nesta semana, envolvendo apresentações de grupos vindos de diferentes partes do Brasil.

A grade completa da programação e as informações sobre os eventos podem ser acessados no endereço www.filo.art.br . A Prefeitura de Londrina, por meio da Secretaria Municipal de Cultura, é uma das apoiadoras do FILO 2019.

  • 20 de agosto – TERÇA-FEIRA

ainvençãodonordeste

Espetáculo: A Invenção do Nordeste
Grupo: Grupo Carmim (Natal – RN)
Local: Teatro Ouro Verde
Horário: 20h30
Classificação: 12 anos
Duração: 60 minutos

“A Invenção do Nordeste”, premiado espetáculo que o grupo Carmin traz para a edição 50+1 do Festival Internacional de Londrina, coloca no centro da cena um tema tristemente celebrizado pelos ventos da polarização política que assolam o País: o preconceito contra o Nordeste, o seu povo e sua cultura. Não que o assunto seja novo – o estigma contra o nordestino vem do Brasil Colônia, mas a virulência com que a xenofobia ganhou as redes sociais no Brasil atual não para de causar espanto.

A atriz Quitéria Kelly se alarmou com as primeiras manifestações xenofóbicas já nas polarizadas eleições presidenciais brasileiras de 2014. Foi ali que surgiu nela o desejo de escancarar os clichês que envolvem o Nordeste e os nordestinos. O ponto de partida foi a obra do historiador Durval Muniz de Albuquerque Jr, autor do livro “A Invenção do Nordeste e outras Artes”. Nos dois anos seguintes, com apoio dos dramaturgos Pablo Capistrano e Henrique Fontes, a história foi lentamente construída. Era a primeira vez de Kelly na direção e o quarto trabalho autoral do grupo potiguar.

Na trama, um diretor de cinema seleciona o ator de um filme cujo protagonista é nordestino. A escolha entre dois atores finalistas coloca em movimento reflexões em torno de um estigma: os estereótipos não conseguem abarcar a diversidade e complexidade do que é ser nordestino em meio a referências tão múltiplas quanto díspares – de Glauber Rocha e Euclides da Cunha, de Luiz Gonzaga a Ariano Suassuna. A montagem se vale de recursos como filmes e documentos, maquetes e miniaturas, em diferentes registros de atuação — tragédia, comédia, teatro épico, pós-dramático, dança.

Em tempos sombrios, “A Invenção  do Nordeste” mostra a potência plena do teatro em sua capacidade de “farejar e combater o perigo de uma regressão à barbárie”, como notou o critico Patrick Pessoa, do jornal O Globo, no registro do espetáculo em sua recente e ovacionada temporada carioca. O trabalho conquistou a melhor Dramaturgia na 31ª edição do Prêmio Shell de Teatro, principal prêmio do segmento no país. Em janeiro deste ano, a peça levou o troféu de melhor espetáculo do importante prêmio Cesgranrio de Teatro.

O Mar do Tempo Perdido - À Deriva Grupo de Teatro

Espetáculo: O Mar do Tempo Perdido
Grupo: À Deriva Grupo de Teatro – Artes Cênicas UEL (Londrina – PR)
Local: DAC – Divisão de Artes Cênicas
Horario: 20h
Classificação indicativa: 14 anos
Duração: 45 min

O universo fantástico e a desatada imaginação do colombiano Gabriel Garcia Márquez penetram toda a atmosfera, respiram por todos os poros nesta montagem que marca a estreia do grupo À Deriva de Teatro. “O Mar do Tempo Perdido” navega pelo universo de Gabo  a partir de uma de suas obras mais emblemática, a novela “A Incrível e Triste Historia de Cândida Erêndira e Sua Avó Desalmada”.

No espetáculo, um mar misterioso vaza a sua maré de mau humor constante, um perfume inebriante de rosas exala maus presságios e neste povoado sombrio, longe de tudo e perdido no tempo,  surge uma poltrona sinistra. E é ela que conecta os fios de todas as narrativas do povoado esquecido e entregue às suas próprias tramas.

Os espaços evocados por Márquez, sua relação com os elementos da natureza – como as profundezas do mar, o deserto e o mangue – são a principal referência para o processo criativo, organizado através de imagens e que lançam mão de diversas linguagens. Trabalho multidisciplinar, contou com apoio e participação de artistas que contribuíram com recursos como a máscara neutra, vivência teatral, ação vocal e física.

Desde a sua  estreia no final de 2017, o grupo À Deriva já participou de vários festivais de teatro e literários na região, além de curta temporada na Divisão de Artes Cênicas da Casa de Cultura da UEL. O coletivo surgiu do trabalho na disciplina Montagem Teatral do 4°  ano do curso de Artes Cênicas da Universidade Estadual de Londrina. O elenco passou por substituições desde a estreia do espetáculo. “O Mar do Tempo Perdido” tem direção da professora Ceres Vittori, que como atriz protagonizou a primeira adaptação  brasileira de “A Triste História de Cândida Erendira”, com atuação antológica e premiada. E com direção impecável do então jovem diretor Ulisses Cruz.

  • 21 de agosto – QUARTA-FEIRA

757

Espetáculo: A Invenção do Nordeste
Grupo: Grupo Carmin (Natal – RN)
Local: Teatro Ouro Verde
Horário: 20h30
Classificação: 12 anos
Duração: 60 minutos

“A Invenção do Nordeste”, premiado espetáculo que o grupo Carmin traz para a edição 50+1 do Festival Internacional de Londrina, coloca no centro da cena um tema tristemente celebrizado pelos ventos da polarização política que assolam o País: o preconceito contra o Nordeste, o seu povo e sua cultura. Não que o assunto seja novo – o estigma contra o nordestino vem do Brasil Colônia, mas a virulência com que a xenofobia ganhou as redes sociais no Brasil atual não para de causar espanto.

A atriz Quitéria Kelly se alarmou com as primeiras manifestações xenofóbicas já nas polarizadas eleições presidenciais brasileiras de 2014. Foi ali que surgiu nela o desejo de escancarar os clichês que envolvem o Nordeste e os nordestinos. O ponto de partida foi a obra do historiador Durval Muniz de Albuquerque Jr, autor do livro “A Invenção do Nordeste e outras Artes”. Nos dois anos seguintes, com apoio dos dramaturgos Pablo Capistrano e Henrique Fontes, a história foi lentamente construída. Era a primeira vez de Kelly na direção e o quarto trabalho autoral do grupo potiguar.

Na trama, um diretor de cinema seleciona o ator de um filme cujo protagonista é nordestino. A escolha entre dois atores finalistas coloca em movimento reflexões em torno de um estigma: os estereótipos não conseguem abarcar a diversidade e complexidade do que é ser nordestino em meio a referências tão múltiplas quanto díspares – de Glauber Rocha e Euclides da Cunha, de Luiz Gonzaga a Ariano Suassuna. A montagem se vale de recursos como filmes e documentos, maquetes e miniaturas, em diferentes registros de atuação — tragédia, comédia, teatro épico, pós-dramático, dança.

Em tempos sombrios, “A Invenção  do Nordeste” mostra a potência plena do teatro em sua capacidade de “farejar e combater o perigo de uma regressão à barbárie”, como notou o critico Patrick Pessoa, do jornal O Globo, no registro do espetáculo em sua recente e ovacionada temporada carioca. O trabalho conquistou a melhor Dramaturgia na 31ª edição do Prêmio Shell de Teatro, principal prêmio do segmento no país. Em janeiro deste ano, a peça levou o troféu de melhor espetáculo do importante prêmio Cesgranrio de Teatro.

INGRESSOS

thumbnail

Os ingressos para o FILO 2019 podem ser adquiridos pela internet no site  www.diskingressos.com.br e também nos pontos de venda: Óticas Diniz (em horário comercial e também no Catuaí Shopping e Norte Shopping) e Empório Amadeus (Mercadão da Prochet – Avenida Harry Prochet, 305 – Box  95 – Terça a sexta, das 12h às 22h, sábado, das 10 às 20h, domingo, das 10h às 14h).

Ingressos a  R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia-entrada). O FILO concede os benefícios de meia-entrada estabelecidos por lei e também dá descontos a clientes e empregados das empresas patrocinadoras. Basta apresentar um documento comprobatório. A listagem completa dos benefícios está disponível no site www.filo.art.br

O FILO 2019 é uma realização da Universidade Estadual de Londrina, Palipalan Arte e Cultura, Secretaria Especial da Cultura e Ministério da Cidadania, com patrocínio da Lei de Incentivo à Cultura, Copel, Governo do Estado do Paraná e Bratac, apoio do Sicredi, Midiograf, Viação Garcia, Unimed, Sesi Cultura, Crillon Palace Hotel, La Comédie, Núcleo dos Festivais Internacionais das Artes Cênicas do Brasil, Editora Cobogó, Ciranda, Bella Vista, Rádio UEL FM e apoio institucional da Associação Médica de Londrina.

Serviço:
Festival Internacional de Londrina – FILO 2019
De 15 de agosto a 1 de setembro

Patrocínio:  Lei de Incentivo à Cultura, Copel, Governo do Estado do Paraná e Bratac.

Apoio: Sicredi, Midiograf, Viação Garcia, Unimed, Sesi Cultura, Crillon Palace Hotel, La Comédie, Núcleo dos Festivais Internacionais das Artes Cênicas do Brasil, Editora Cobogó, Ciranda, Bella Vista, Rádio UEL FM. Apoio institucional: Associação Médica de Londrina.

Realização: Universidade Estadual de Londrina, Palipalan Arte e Cultura, Secretaria Especial da Cultura e Ministério da Cidadania

Mais informações: www.filo.art.br

Redação Agora Londrina com Assessoria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s