Educação

Empresários japoneses visitam UEL e conhecem projeto ligado à produção do fio da seda

24-10-2018-g-seda

Visitantes são das cidades de Kyoto e Fukushima

Empresários japoneses das cidades de Kyoto e Fukushima visitaram hoje, quarta-feira (24), as instalações do Laboratório de Espectroscopia (ESPEC) na Central Multiusuária de Laboratórios de Pesquisa da UEL (CMLP), ligados à Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPPG). O grupo foi recebido pelo coordenador do ESPEC, professor Henrique de Santana, do Departamento de Química, do Centro de Ciências Exatas (CCE), responsável pela análise da estrutura da seda, além do comportamento do fio diante da relação com o tingimento natural.

A visita tem como objetivo conhecer as atividades do projeto multidisciplinar “Seda – o fio que transforma”, coordenado pela professora Cristianne Cordeiro Nascimento, diretora de Planejamento e Integração Acadêmica da Pró-reitoria de Planejamento (PROPLAN). O projeto pretende dar mais visibilidade à produção de seda londrinense, considerando o potencial empreendedor e a capacitação de artesãos da região. Por outro lado, as ações também investem na a valorização da cadeia produtiva, responsável pela matéria-prima da seda. A iniciativa é realizada em parceria com a Empresa Bratac – Fiação de Seda de Londrina, que fica na região oeste. A empresa detém toda etapa da cadeia, que começa na produção e culmina na exportação do fio.

A professora Cristianne Cordeiro Nascimento, que acompanhou os empresários durante a visita, ressalta a importância do contato com os empresários japoneses para Londrina e o setor produtivo do fio da seda. “O Japão é um dos maiores importadores da seda brasileira. Eles estão aqui durante esta semana para fechar novas parcerias comerciais e também verificar a origem da qualidade da nossa seda, que é considerada a melhor do mundo”, aponta.

O grupo também foi recebido pela professora do Departamento de Design, do Centro de Educação, Comunicação e Artes (CECA), Eduarda Veiga, que pesquisa técnica sobre tingimento natural da Seda – SHIBORI, a presidente da Abraseda, Renata Amano, além do responsável pela comunicação do Grupo Sansey, Claudio Shizuo e estudantes da UEL, integrantes do projeto. Em um segundo momento, os empresários também foram recebidos no Laboratório de Citogenética Animal (LACA), pela professora Renata da Rosa, do Departamento de Biologia Animal e Vegetal (BAV), do Centro de Ciências Biológicas (CCB).

Seda Paranaense – O Paraná é responsável por 84% da produção nacional de casulo do bicho-da-seda e de fios de seda – a maior parte direcionada à exportação. A atividade é uma alternativa de diversificação da propriedade, que garante renda durante nove meses do ano. Ela movimenta R$ 40 milhões por ano, sendo que está presente em 165 cidades paranaenses e é desenvolvida por 1.860 criadores.

Agência UEL

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s